segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

PUBLICAÇÃO DE MEU CONTO "A CIDADE" NA REVISTA UMBIGO/DEZEMBRO 2009


(Com todos os visitantes e intertextuantes deste (vosso) espaço, partilho um breve trecho do meu conto "A Cidade" (ilustrado - brilhantemente, na Revista Umbigo por Colin Ginks - em jeito de repto para que desejem lê-lo na íntegra através da aquisição da Revista já disponível)
" Declinamos a marcha sem rumo e surpreendemos o feliz sossego; estamos juntos, matéria urbana de corpos e silêncios, fátuas fornicações sob a verde sombra, impudicamente.
Pelo menos os troncos são sólidos e, com paciente fúria fálica, erguem-se até ao azul, tão real, tão extenso: omoplatas comburentes no petróleo obsceno das tardes.
Olhando o azul cabisbaixo, gasto e irrefutável, refractado nos teus olhos que alimentam, como treva tenra de frutos, a minha viagem dentro da nossa viagem, sinto um ponteiro de afecto: sou capaz de responder à tua pergunta em suspenso, e que era, tão-somente, a meta do som além da surdez.
Sim. há uma luz esperando-nos após a madeixa de pólvora.................... dos passeios: há um apeadeiro levantando-nos como estacas de verão em que as nossas bocas fiquem à sombra e
âncoras soterradas para partirmos, para seguirmos juntos no estibordo do grito, no focinho da alvorada que, torneada a fome, nos abrirá o clarão das janelas de um canil fraterno: o sabor marginal de uma casa humana."
luís filipe pereira

13 comentários:

Anónimo disse...

Luís Filipe Pereira, tive o privilégio de estar no Lançamento, li/devorei o seu conto "A Cidade" (que cidade! uma cidade antifrástica primorosamente construída ao ritmo da sua prosa notável): um texto extraordinário: duro, em ferida, deixando em suspenso a cicatriz do sonho dos viajantes. Parabéns.
T. V. Peixoto

betina moraes disse...

luis felipe,

parabéns!

pela pequena parte que mostrou do conto já se sente a imensa qualidade. gostaria de adquirir a revista, verei pela internet como faço.

suas palavras merecem o mundo!

grande abraço!

Mel de Carvalho disse...

Estimado Luís Filipe,
e porque não o conto inteiro?
gostaria, claro.

Fica um abraço fraterno
e os meus votos de excelente 2010.

Mel

Anónimo disse...

Que texto! A voz no olhar ou vice-versa, uma prosa tão intensa, inovadora que desarruma a generologia, porque tem uma inquietação dentro e vai direita ao leitor, inquieta-o, perturba-o.
cada palavra, cada frase é posta como um "pêndulo" de vidro e dói passar por um texto assim, que nos capta, que nos dá a ver a viagem por dentro de uma cidade em que há indivíduos que se guiam pelo "pêndulo do afecto" quando todas as horas os obrigam a inventar partidas em "âncoras soterradas". O Texto é sublime. Que trabalho notável na Umbigo!
Parabéns e obrigado por escrever essa "Prosa do Mundo" (Ponty)
M. T.

Anónimo disse...

Parabéns pelo conto extraordinário. a Cidade (a k nos oferece numa prosa maravilhosa) torna-se horizonte da própria escrita, em sentido de Deleuze, no seu texto, a muitos níveis, o sentido brota como um efeito (visual, sonoro, de linguagem....). Felicito-o com admiração.
A. Queirós

Anónimo disse...

o sonho de uma "casa humana" a que, na esteira de Vergílio Ferreira, todos deveriam ter direito. O seu texto é fantástico. Li-o na Revista e ocupará sempre um lugar de destaque na minha estante, porque é um texto ao qual é urgente voltar.
parabéns,

l. teixeira

luís filipe pereira disse...

Caros amigos & intertextuantes agradeço-vos os generosos ecos a este texto.
grato,
filipe

Kanauã Kaluanã disse...

Já neste pedaço de fina prosa é possível sentir sua obra com margens abertas à palavra forte, em carne de passagens vivas, que convida ao impacto; mas que quando, dentro, sentem-se as frestras e as entrelinhas para o "sol". Um livro como uma casa... "o sabor marginal de uma casa humana".

Brilhante.

Incitada a desfolhá-la, parabenizo-o pela criação.

Um abraço.

Katyuscia.

Anónimo disse...

imitando um gesto gráfico do primeiro período deste conto " A cidade", escrevo:
s
o
b
e
r
b
o.

Parabéns.
J. Amaral

Anónimo disse...

"no estibordo do grito": magnífico.
Um texto-também-grito cujo narrador desenha duas personagens acompanhando-as pelas franjas esfareladas do desejo de evasão, de viagem. Uma prosa notável.
Parabéns.

Magda Santos T.

Brancamar disse...

Pelo que me foi dado ler a qualidade do texto é imensa, espero que a revista se possa adquirir na Bertrand por onde passo mais frequentemente. Se não a encontrar venho cá perguntar.
"Sim. há uma luz esperando-nos após a madeixa de pólvora.................... dos passeios:...", gostei do longo espaço de reticências em que nos deixas a imagem subentendida, por descobrir, para que a sintamos.
Parabéns.
Beijos.
Branca

Djabal disse...

Fiquei com as estacas pregadas no coração, preso pela beleza das imagens, principalmente pela madeixa de pólvora. E agradeço deixando o parco registro, protestando pelo pequeno trecho, protestando por mais. Haja bem. Abraços.

Anónimo disse...

UM TEXTO ADMIRÁVEL; um leque de micro-narrativas dentro desta narrativa da Cidade.
Parabéns

S. Corte-Real