sexta-feira, 25 de abril de 2008

entra. senta-te sobre o lume dos livros (sobre um quadro de Menez/fragmento)

entra. regressas da noite das portas apagadas.

entra.

franqueia as franjas do crepúsculo faminto.entra.

regressa à resina reluzente nas lombadas. como escama. como estrela.

sentes a fragrância a florir nas palavras?

então entra.

navega no navio silábico dos livros sonolentos escritos em segredo. entra nos insones segredos dos livros ainda não livros. dos livros lavados no lume do esquecimento.

entra e espreita as frases em flor que já não podes colher.

adormece.

empurra as portas com os dedos do sono percorrendo os nomes devagar. despe-te da voz que pudesse pronunciá-los. senta-te à beira da boca ao rés da resina. senta-te à beira das labaredas dos livros aquecendo-te as ancas como lânguidos anjos.

entra. afasta as portas e pernoita nas planícies do abandono.

entra e deixa que te leiam os livros. entra e despe devagar os lábios dos livros.

pernoita lá dentro. como os pássaros. entra.

....................................................................................................................... entraste?................................

luís filipe pereira

5 comentários:

Anónimo disse...

entro nos teus textos matinais como pássaro na alvorada à procura de alimento para cantar.........rui

Anónimo disse...

Nos teus textos não entro...mergulho...divago. afloro as ínfimas/largas aberturas das pétalas/marinhas. sonho/letra/luz/cor.

Salica

Anónimo disse...

Entrei ...
nas portas em formato A4 de papel virtual à sua procura.Tingidas de azul gravadas a branco, que me levaram a viver sensações cinematográficas...textos que respiram, que se movem, que comunicam...


in

Anónimo disse...

Espreitei. Entrei.
Vi e li livros que me esperavam. Uníssonos, descobrimo-nos. Então cantamos por rios e risos de palavras. Ficou a fragância da descoberta e por ela nos encantamos.
Pernoitamos. Quando acordei, permanecíamos ainda juntos.
Disse adeus e até breve.

Enfermagem disse...

Entrei no seu blog, sentei-me a secretária e li. abstrai-me do que me rodeia, e li. fechei a porta, apaguei a luz e fiquei apenas com a luz do computador, e li. cruzei as pernas, cheguei-me para trás e li. e no final achei, que para variar, os seus pedacinhos de palavras são mais que um livro (daqueles bons que adoro ler).

Rita